Sobre o setor

Sobre o setor

O Setor de Gemas, Joias, Bijuterias, Folheados e Afins compreende desde a extração mineral, a indústria de lapidação e artefatos de pedras, a indústria joalheira e de folheados, bijuterias, os insumos, matérias primas e as máquinas e equipamentos usados no processo de produção, além das estratégias de marketing e a incorporação do design aos produtos.

Conforme dados do MTE, as indústrias e o comércio diretamente ligados ao Setor somaram 14.139 estabelecimentos em 2017, dos quais, mais de 80% estão enquadrados no regime do Simples Nacional. Essas empresas estão concentradas em Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Paraná, Goiás, Santa Catarina, Amazonas, Bahia e Mato Grosso e são responsáveis pela geração de mais de 77.000 empregos diretos.

O Brasil é internacionalmente conhecido pela diversidade e pela grande ocorrência de pedras preciosas em seu solo. É um dos principais produtores de esmeraldas e o único de topázio imperial, sendo mundialmente reconhecido pela qualidade das turmalinas paraíba e um dos poucos fornecedores desta pedra no mundo. Recentemente, o país tem despontado na produção e exportação de diamantes.

Números do Setor

As exportações brasileiras tiveram melhor desempenho neste primeiro trimestre se comparadas ao mesmo período de 2018, cabendo destacar as pedras preciosas lapidadas que vinham sofrendo variações negativas em anos anteriores. Nesse primeiro trimestre de 2019 os principais destinos das pedras preciosas brasileiras foram: Estados Unidos, Hong Kong, China, Índia e Tailândia. As feiras de Tucson, no Arizona e de Hong Kong são consideradas importantes plataformas comerciais para acesso a esses mercados.<br /> Embora o primeiro trimestre de 2019 tenha apresentado crescimento nas importações, a balança comercial do setor mantém-se favorável. O destaque nas importações é para a prata, que apresentou queda. O metal teve pico de preço em 2015, devido ao crescimento da produção de joias em prata. Em 2019, houve alta de preço no início do ano, o que pode ter influenciado a redução das importações.

PARA SABER MAIS
SOBRE O
IBGM